Fundação Indaialense de Cultura Prefeito Victor Petters

CRIAÇÃO

Instituída pela Lei n° 1.660, de 12 de novembro de 1987, inicialmente era uma entidade privada, e no dia 8 de agosto de 1988 passou a ser entidade pública pela Lei nº 876, de 12 de setembro de 1989, na gestão do prefeito Luiz Polidoro. Era regida por um Conselho Curador, tendo como diretora-executiva Apolônia Gastaldi.

Surgiu da necessidade de se criar um espaço na cidade, onde se poderia incentivar as expressões culturais. Foi instalada provisoriamente no prédio da antiga Estação Ferroviária, à rua Mal. Deodoro da Fonseca, 281, Centro.

Conforme ata da reunião do dia 04 de dezembro de 1991, a nova sede da Fundação Indaialense de Cultura estava pronta e a data para transferência para o novo local seria combinada com o Governo Municipal, que aconteceu até setembro de 1992.

A FIC passou a ocupar um belíssimo Casarão, localizado no Morro Schulemburg, área central da cidade, adquirida na administração do prefeito Victor Petters e vice-prefeito Sílvio Gonçalves da Luz. O local já dispunha de um belíssimo bosque nativo, além de oferecer visão panorâmica da área central da cidade, ocupando uma área total de 39.000m².

Em 21 de dezembro de 2.000, através do Decreto-Lei nº 2911/00, mudou a denominação para “Fundação Indaialense de Cultura Prefeito Victor Petters”.


OBJETIVOS

No artigo 2º da lei de criação constam como objetivos da Fundação Indaialense de Cultura:

  • Zelar pela conservação do patrimônio histórico, arquitetônico, cultural e artístico de Indaial;
  • Promover a conservação e a divulgação das tradições culturais e do folclore no município;
  • Organizar e manter o Arquivo Histórico do Município;
  • Criar e manter bibliotecas, museus, pinacotecas, discotecas, filmotecas, bem como outros espaços culturais, permanentes ou não, que sirvam de instrumento de divulgação cultural;
  • Promover estudos e pesquisas sobre história, as tradições, a arquitetura, o folclore, a genealogia e outros aspectos de interesse cultural do município;
  • Promover e incentivar a edição de livros e outras publicações que estudem, divulguem ou incentivem as tradições histórico-culturais do Município.

No artigo 3º consta que a FIC realizará seus objetivos através da Biblioteca, do Arquivo Histórico do Município e da instalação de novas unidades e espaços culturais de todos os tipos e ligados a esses objetivos, bem como de sua manutenção, cabendo-lhe ainda realizar cursos, palestras, exposições, estudos, pesquisas, publicações, apresentações e atividades culturais.

A Fundação mantém, administra e favorece o acesso à pesquisa através da  Biblioteca Pública Municipal Cruz e Sousa, Arquivo Histórico Municipal Theobaldo Costa Jamundá, Setor de Patrimônio Histórico, Bromeliário Padre Raulino Reitz, Jardim da Poesia, Trilha Ecológica, Casarão da Colina e Museu Ferroviário Silvestre Ernesto da Silva.